Isaías 52

1 Desperte! Desperte, ó Sião!
Vista-se de força.
Vista suas roupas de esplendor,
Ó Jerusalém, cidade santa.
Os incircuncisos e os impuros
Não tornarão a entrar por suas portas.

2 Sacuda para longe a sua poeira;
Levante-se, sente-se entronizada,
Ó Jerusalém.
Livre-se das correntes em seu pescoço,
Ó cativa cidade de Sião.

3 Pois assim diz o Senhor:
“Vocês foram vendidos por nada,
E sem dinheiro vocês serão resgatados”.

4 Pois assim diz o Soberano, o Senhor:
“No início o meu povo desceu
Para morar no Egito;
Ultimamente a Assíria o tem oprimido.

5 “E agora o que tenho aqui?”,
Pergunta o Senhor.
“Pois o meu povo foi levado
Por nada,
E aqueles que o dominam zombam”,
Diz o Senhor.
“E constantemente,
O dia inteiro,
Meu nome é blasfemado.

6 Por isso o meu povo
Conhecerá o meu nome;
Naquele dia eles saberão
Que sou eu que o previ.
Sim, sou eu”.

7 Como são belos nos montes
Os pés daqueles que anunciam
Boas-novas,
Que proclamam a paz, Que trazem boas notícias,
Que proclamam salvação,
Que dizem a Sião:
“O seu Deus reina!”

8 Escutem! Suas sentinelas erguem a voz;
Juntas gritam de alegria.
Quando o Senhor voltar a Sião,
Elas o verão com os seus próprios olhos.

9 Juntas cantem de alegria,
Vocês, ruínas de Jerusalém,
Pois o Senhor consolou o seu povo;
Ele resgatou Jerusalém.

10 O Senhor desnudará seu santo braço
À vista de todas as nações,
E todos os confins da terra verão
A salvação de nosso Deus.

11 Afastem-se, afastem-se, saiam daqui!
Não toquem em coisas impuras!
Saiam dela e sejam puros,
Vocês, que transportam os utensílios do Senhor.

12 Mas vocês não partirão apressadamente,
Nem sairão em fuga;
Pois o Senhor irá à frente de vocês;
O Deus de Israel será a sua retaguarda.

13 Vejam, o meu servo agirá
Com sabedoria;
Será engrandecido, elevado
E muitíssimo exaltado.

14 Assim como houve muitos
Que ficaram pasmados diante dele;
Sua aparência estava tão desfigurada,
Que ele se tornou irreconhecível como homem;
Não parecia um ser humano;

15 de igual modo ele aspergirá
Muitas nações,
E reis calarão a boca por causa dele.
Pois aquilo que não lhes foi dito verão,
E o que não ouviram compreenderão.