Isaías 56

1 Assim diz o Senhor:
“Mantenham a justiça
E pratiquem o que é direito,
Pois a minha salvação está perto,
E logo será revelada a minha retidão.

2 Feliz aquele que age assim,
O homem que nisso permanece firme,
Observando o sábado
Para não profaná-lo,
E vigiando sua mão
Para não cometer nenhum mal”.

3 Que nenhum estrangeiro
Que se disponha a unir-se ao Senhor
Venha a dizer:
“É certo que o Senhor
Me excluirá do seu povo”.
E que nenhum eunuco se queixe:
“Não passo de uma árvore seca”.

4 Pois assim diz o Senhor:
“Aos eunucos que guardarem
Os meus sábados,
Que escolherem o que me agrada
E se apegarem à minha aliança,

5 A eles darei, dentro de meu templo
E dos seus muros,
Um memorial e um nome melhor
Do que filhos e filhas,
Um nome eterno, que não será eliminado.

6 E os estrangeiros que se unirem
Ao Senhor para servi-lo,
Para amarem o nome do Senhor
E prestar-lhe culto,
Todos os que guardarem o sábado
Deixando de profaná-lo,
E que se apegarem à minha aliança,

7 Esses eu trarei ao meu santo monte
E lhes darei alegria
Em minha casa de oração.
Seus holocaustos e demais sacrifícios
Serão aceitos em meu altar;
Pois a minha casa será chamada
Casa de oração para todos os povos”.

8 Palavra do Soberano, do Senhor,
Daquele que reúne os exilados de Israel:
“Reunirei ainda outros
Àqueles que já foram reunidos”.

9 Venham todos vocês,
Animais do campo;
Todos vocês, animais da floresta,
Venham comer!

10 As sentinelas de Israel estão cegas
E não têm conhecimento;
Todas elas são como cães mudos,
Incapazes de latir.
Deitam-se e sonham;
Só querem dormir.

11 São cães devoradores, insaciáveis.
São pastores sem entendimento;
Todos seguem seu próprio caminho,
Cada um procura vantagem própria.

12 “Venham”, cada um grita,
“tragam-me vinho!
Bebamos nossa dose
De bebida fermentada,
Que amanhã será como hoje,
E até muito melhor!”