Isaías 63

1 Quem é aquele que vem de Edom,
Que vem de Bozra, com as roupas
Tingidas de vermelho?
Quem é aquele que,
Num manto de esplendor,
Avança a passos largos
Na grandeza da sua força?
“Sou eu, que falo com retidão,
Poderoso para salvar.”

2 Por que tuas roupas estão vermelhas,
Como as de quem pisa uvas no lagar?

3 “Sozinho pisei uvas no lagar;
Das nações ninguém esteve comigo.
Eu as pisoteei na minha ira
E as pisei na minha indignação;
O sangue delas respingou
Na minha roupa,
e eu manchei toda a minha veste.

4 Pois o dia da vingança
Estava no meu coração,
E chegou o ano da minha redenção.

5 Olhei, e não havia ninguém
Para ajudar-me;
Mostrei assombro,
E não havia ninguém para apoiar-me.
Por isso o meu braço me ajudou,
E a minha ira deu-me apoio.

6 Na minha ira pisoteei as nações;
Na minha indignação eu as embebedei
E derramei na terra o sangue delas.”

7 Falarei da bondade do Senhor,
Dos seus gloriosos feitos,
Por tudo o que o Senhor fez por nós,
Sim, de quanto bem ele fez
À nação de Israel,
Conforme a sua compaixão
E a grandeza da sua bondade.

8 “Sem dúvida eles são o meu povo”,
Disse ele;
“São filhos que não me vão trair”;
E assim ele se tornou o Salvador deles.

9 Em toda a aflição do seu povo
Ele também se afligiu,
E o anjo da sua presença os salvou.
Em seu amor e em sua misericórdia
Ele os resgatou;
Foi ele que sempre os levantou
E os conduziu nos dias passados.

10 Apesar disso, eles se revoltaram
E entristeceram o seu Espírito Santo.
Por isso ele se tornou inimigo deles
E lutou pessoalmente contra eles.

11 Então o seu povo recordou o passado,
O tempo de Moisés e a sua geração:
Onde está aquele que os fez
Passar através do mar,
Com o pastor do seu rebanho?
Onde está aquele que entre eles
Pôs o seu Espírito Santo,

12 que com o seu glorioso braço
Esteve à mão direita de Moisés,
Que dividiu as águas diante deles
Para alcançar renome eterno,

13 e os conduziu através das profundezas?
Como o cavalo em campo aberto,
Eles não tropeçaram;

14 como o gado que desce à planície,
Foi-lhes dado descanso
Pelo Espírito do Senhor.
Foi assim que guiaste o teu povo
Para fazer para ti um nome glorioso.

15 Olha dos altos céus,
Da tua habitação elevada, santa e gloriosa.
Onde estão o teu zelo e o teu poder?
Retiveste a tua bondade
E a tua compaixão;
Elas já nos faltam!

16 Entretanto, tu és o nosso Pai.
Abraão não nos conhece
E Israel nos ignora;
Tu, Senhor, és o nosso Pai
E, desde a antiguidade, te chamas
Nosso Redentor.

17 Senhor, por que nos fazes andar
Longe dos teus caminhos
E endureces o nosso coração
Para não termos temor de ti?
Volta, por amor dos teus servos,
Por amor das tribos que são a tua herança!

18 Por pouco tempo o teu povo possuiu
O teu santo lugar;
Depois os nossos inimigos
Pisotearam o teu santuário.

19 Somos teus desde a antiguidade,
Mas aqueles tu não governaste;
Eles não foram chamados pelo teu nome.