Joel 3

1 “Sim, naqueles dias e naquele tempo,
Quando eu restaurar a sorte
De Judá e de Jerusalém,

2 Reunirei todos os povos
E os farei descer ao vale de Josafá.
Ali os julgarei
Por causa da minha herança -Israel, o meu povo – ,
Pois o espalharam
Entre as nações
E repartiram entre si a minha terra.

3 Lançaram sortes sobre o meu povo
E deram meninos
Em troca de prostitutas;
Venderam meninas por vinho,
Para se embriagarem.

4 “O que vocês têm contra mim,
Tiro, Sidom,
E todas as regiões da Filístia?
Vocês estão me retribuindo
Algo que eu fiz a vocês?
Se estão querendo vingar-se de mim,
Ágil e veloz
Me vingarei do que vocês têm feito.

5 Pois roubaram a minha prata
E o meu ouro
E levaram para os seus templos
Os meus tesouros mais valiosos.

6 Vocês venderam o povo de Judá
E o de Jerusalém aos gregos,
Mandando-os para longe
Da sua terra natal.

7 “Vou tirá-los dos lugares
Para onde os venderam
E sobre vocês farei recair o que fizeram:

8 venderei os filhos e as filhas de vocês
Ao povo de Judá,
E eles os venderão
À distante nação dos sabeus”.
Assim disse o Senhor.

9 Proclamem isto entre as nações:
Preparem-se para a guerra!
Despertem os guerreiros!
Todos os homens de guerra
Aproximem-se e ataquem.

10 Forjem os seus arados,
Fazendo deles espadas;
E de suas foices façam lanças.
Diga o fraco: “Sou um guerreiro!”

11 Venham depressa,
Vocês, nações vizinhas,
E reúnam-se ali.
Faze descer os teus guerreiros,
Ó Senhor!

12 “Despertem, nações;
Avancem para o vale de Josafá,
Pois ali me assentarei
Para julgar todas as nações vizinhas.

13 Lancem a foice,
Pois a colheita está madura.
Venham, pisem com força as uvas,
Pois o lagar está cheio
E os tonéis transbordam,
Tão grande é a maldade dessas nações!”

14 Multidões, multidões
No vale da Decisão!
Pois o dia do Senhor está próximo,
No vale da Decisão.

15 O sol e a lua escurecerão,
E as estrelas já não brilharão.

16 O Senhor rugirá de Sião,
E de Jerusalém levantará a sua voz;
A terra e o céu tremerão.
Mas o Senhor será um refúgio
Para o seu povo,
Uma fortaleza para Israel.

17 “Então vocês saberão
Que eu sou o Senhor, o seu Deus,
Que habito em Sião, o meu santo monte.
Jerusalém será santa;
E estrangeiros jamais a conquistarão.

18 “Naquele dia, os montes
Gotejarão vinho novo;
Das colinas manará leite;
Todos os ribeiros de Judá
Terão água corrente.
Uma fonte fluirá do templo do Senhor
E regará o vale das Acácias.

19 Mas o Egito ficará desolado,
Edom será um deserto arrasado,
Por causa da violência
Feita ao povo de Judá,
Em cuja terra derramaram
Sangue inocente.

20 Judá será habitada para sempre
E Jerusalém por todas as gerações.

21 Sua culpa de sangue,
Ainda não perdoada,
Eu a perdoarei.”
O Senhor habita em Sião!