Jó 33

1 “Mas agora, Jó,
Escute as minhas palavras;
Preste atenção a tudo o que vou dizer.

2 Estou prestes a abrir a boca;
Minhas palavras
Estão na ponta da língua.

3 Minhas palavras procedem
De um coração íntegro;
Meus lábios falam com sinceridade
O que eu sei.

4 O Espírito de Deus me fez;
O sopro do Todo-poderoso me dá vida.

5 Responda-me, então, se puder;
Prepare-se para enfrentar-me.

6 Sou igual a você diante de Deus;
Eu também fui feito do barro.

7 Por isso não devo inspirar nenhum temor,
E a minha mão não há de ser pesada
Sobre você.

8 “Mas você disse ao meu alcance;
Eu ouvi bem as palavras:

9 ‘Estou limpo e sem pecado;
Estou puro e sem culpa.

10 Contudo, Deus procurou em mim
Motivos para inimizade;
Ele me considera seu inimigo.

11 Ele acorrenta os meus pés;
Vigia de perto
Todos os meus caminhos’.

12 “Mas eu digo
Que você não está certo,
Porquanto Deus é maior
Do que o homem.

13 Por que você se queixa a ele
De que não responde
Às palavras dos homens?

14 Pois a verdade é que Deus fala,
Ora de um modo, ora de outro,
Mesmo que o homem não o perceba.

15 Em sonho ou em visão
Durante a noite,
Quando o sono profundo
Cai sobre os homens
E eles dormem em suas camas,

16 ele pode falar aos ouvidos deles
E aterrorizá-los com advertências,

17 para prevenir o homem
Das suas más ações
E livrá-lo do orgulho,

18 para preservar da cova a sua alma,
E a sua vida da espada.

19 Ou o homem pode ser castigado
No leito de dor,
Com os seus ossos
Em constante agonia,

20 sendo levado a achar a comida repulsiva
E a detestar na alma
Sua refeição preferida.

21 Já não se vê sua carne,
E seus ossos, que não se viam,
Agora aparecem.

22 Sua alma aproxima-se da cova,
E sua vida, dos mensageiros da morte.

23 “Havendo, porém, um anjo
Ao seu lado,
Como mediador entre mil,
Que diga ao homem o que é certo
A seu respeito,

24 para ser-lhe favorável e dizer: ‘Poupa-o de descer à cova;
Encontrei resgate para ele’,

25 então sua carne se renova
Voltando a ser como de criança;
Ele se rejuvenesce.

26 Ele ora a Deus e recebe o seu favor;
Vê o rosto de Deus
E dá gritos de alegria,
E Deus lhe restitui a condição de justo.

27 Depois ele vem aos homens e diz:
‘Pequei e torci o que era certo, Mas ele não me deu o que eu merecia.

28 Ele resgatou a minha alma,
Impedindo-a de descer à cova,
E viverei para desfrutar a luz’.

29 “Deus faz dessas coisas ao homem,
Duas ou três vezes,

30 para recuperar sua alma da cova,
A fim de que refulja sobre ele
A luz da vida.

31 “Preste atenção, Jó, e escute-me;
Fique em silêncio, e falarei.

32 Se você tem algo para dizer,
Responda-me;
Fale logo, pois quero que você
Seja absolvido.

33 Se não tem nada para dizer, ouça-me,
Fique em silêncio,
E eu ensinarei
A sabedoria a você”.