Naum 2

1 O destruidor avança contra você,
Nínive!
Guarde a fortaleza!
Vigie a estrada!
Prepare a resistência!
Reúna todas as suas forças!

2 O Senhor restaurará
O esplendor de Jacó;
Restaurará o esplendor de Israel,
Embora os saqueadores
Tenham devastado e destruído
As suas videiras.

3 Os escudos e os uniformes
Dos soldados inimigos são vermelhos.
Os seus carros de guerra reluzem
Quan­do se alinham para a batalha;
Agitam-se as lanças de pinho.

4 Os carros de guerra
Percorrem loucamente as ruas
E se cruzam velozmente
Pelos quarteirões.
Parecem tochas de fogo
E se arremessam como relâmpagos.

5 As suas tropas de elite são convocadas,
Mas elas vêm tropeçando;
Correm para a muralha da cidade
Para formar a linha de proteção.

6 As comportas dos canais são abertas,
E o palácio desaba.

7 Está decretado:
A cidade irá para o exílio;
Será deportada.
As jovens tomadas como escravas
Batem no peito;
Seu gemer é como o arrulhar das pombas.

8 Nínive é como um açude antigo
Cujas águas estão vazando.
“Parem, parem”, eles gritam,
Mas ninguém sequer olha para trás.

9 Saqueiem a prata! Saqueiem o ouro!
Sua riqueza não tem fim;
Está repleta de objetos de valor!

10 Ah! Devastação! Destruição!
Desolação!
Os corações se derretem,
Os joelhos vacilam,
Todos os corpos tremem
E o rosto de todos empalidece!

11 Onde está agora a toca dos leões?
O lugar em que alimentavam
Seus filhotes,
Para onde iam o leão, a leoa
E os leõezinhos, sem nada temer?

12 Onde está o leão que caçava
O bastante para os seus filhotes,
Estrangulava animais
Para as suas leoas
E enchia as suas covas de presas
E as suas tocas de vítimas?

13 “Estou contra você”,
Declara o Senhor dos Exércitos;
“Queimarei no fogo
Os seus carros de guerra,
E a espada matará os seus leões.
Eliminarei da terra a sua caça,
E a voz dos seus men­sageiros
Jamais será ouvida.”